Uma longa queda*

Quanto mais alto você sobe, mais feia pode ser a queda. Paixão avassaladora, depressão fudida depois. Tudo lindo, cor de rosa, até que entrou água na casa das máquinas. O boy começa a agir diferente, a intuição grita que tem algo errado. Um perdido num sábado à noite. Três dias depois, um amigo te conta do chifre. Fim.

O que veio depois foi apenas uma pífia tentativa, já sem magia alguma. Naufrágio. Na véspera do Réveillon. Puta mancada, uns disseram. Ainda bem que a moça tem amigos queridos.

O mês seguinte foi um verdadeiro inferno. Chora, chora de dia, chora de noite, drogas, mais bebida, muito mais bebida ainda. Quero morrer, ela disse. Volta a se sentir um lixo, não sai da cama por uns dias. Foda-se tudo.

Dor, fracasso, rejeição, decepção, tudo misturado. Você é melhor que isso, disseram. Não importa agora. Terapia, sessões duplas, remédios. O corpo do falecido no IML, apodrecendo.

Vive um dia de cada vez, tenta não pensar. E chora no banheiro da firma, evita certos lugares, cansaço, e taquicardia quando passa um carro igual ao dele.

Um bom tempo depois, parece que dói menos. E o morto já foi enterrado.

Pronta pra outro?
Nah, melhor não. A queda é inevitável e destruidora.

*Licença poética: título de uma das obras de um dos meus escritores e roteiristas favoritos, Nick Hornby. Gosto do livro e do filme tb.

imogen a long way

Imogen Poots, em cena do filme A Long Way Down.

 

Advertisements

One comment

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s